Todos os Espelhos

Joaquim era probabelmente a pessoa mais tímida da terra. Um homem com tanta bergonha da sua própria boz que falaba num tom baixinho demais que obrigaba a achegar-nos além do que aconselha a proxémica mais elementar. Era mais uma complicação porque a proximidade física só o angustiaba mais, deixaba de falar um bocado, afastaba-se, começaba outra bez, aproximabas-te para perceber, paraba, afastaba-se e assim o tempo todo. Para conbersar com ele quase habia que apreender um género de dança maluca.

Contudo era isso ou não prestar atenção nenhuma ao que dizia, algo habitual a primeira bez que o conhecias (aliás, o seu objectibo era passar o mais despercebido possíbel), mas logo mudabas a tua atitude. Felizmente, Joaquim não tinha uma teoria sobre tudo (o que era uma nobidade entre toda a gente que eu conhecia) e lebaba muito cuidado em dar qualquer opinião (por medo a que fosse uma ridiculez), mas tinha ideias bem interessantes e contos empolgantes que, ironicamente, faziam que sempre houbesse gente interessada em ir dar com ele. A sua moça estaba tolinha por ele, nunca ficaba a mais de dous metros sua e afinara os oubidos para perceber o joaquinês à primeira e sem esforço. O rapaz tinha encanto, não só entre as gajas senão com o pessoal que conseguia conhece-lo e escuta-lo, e de ter outro carácter bem poderia ter sido um líder natural.

Debagarinho outros souberam das qualidades do Jô, do seu singular carisma medroso, e não foram poucos os que roubaram as suas palabras e pensamentos para os seus próprios fins sabendo que ele nunca protestaria. Estes mesmos eram os que faziam troça dele, porque quando conheces a debilidade duma pessoa é singelo explorá-la. Isso logo enfastiou o Joaquim e um dia rompeu todos os espelhos da casa, talbez a primeira biolência berdadeira da sua bida. Tentámos ajudar-lhe mas a nossa atenção era o problema e não a solução.

E então chegou o truque. Joaquim desapareceu diante dos nossos próprios olhos. Talbez estábamos a fita-lo demasiado, não o sei, primeiro empalideceu (assustamo-nos, alguém perguntou que caralho se passaba), transluciu-se, deu um lampejo como de flash fotográfico e já não estaba. A sua moça era a única que parecia calma como se de algum modo soubesse que isto inebitabelmente ia acontecer.

Penso nisto sempre que passeio polas ruas e bejo pessoas esquibando as suas imagens reflectidas, um deles é Joaquim escondido de todos os espelhos.

Anúncios

Publicar um Comentário

Required fields are marked *
*
*

%d bloggers like this: